É inevitável - Dana

escrito por Fabi Estiga nesta data  18. janeiro 2017 10:57

2017 começou mal, primeiro Billy Jr, depois Brisa (doga da Van) e agora Dana, uma Border Midi histórica. Eu nunca vou esquecer dessa história que vou contar abaixo.

Minha primeira prova, no Rio de Janeiro. Samy prestes a completar seus 18 anos entra em pista com a Dana. Na saída uma discussão entre ele e Dan. Pai e filho. Normal, essas relações são conturbadas normalmente, dentro do esporte então. Dan sabia do potencial da dupla e é claro que Samy, naquela idade... Enfim, no outro dia estava tudo bem. Naquele dia Dan falando comigo fez uma comparação, que não lembro agora, com um jogador de futebol. Desses que brigam e depois fazem uma grande jogada.

Naquele tempo um Border Midi era um problema 10 vezes maior do que é hoje. Porque naquele tempo nossa condução era bem inferior ao que é hoje.

E haviam outros borders nessa condição no Brasil. No entanto apenas Samy conseguia conduzir a Dana. E era uma condução totalmente diferente do que era feito com cães de qualquer tamanho. Não havia comparação. Não dava pra conduzir como um Border Standard, já que ela saltava no Midi e isso muda muito o "ataque" do cão nos saltos. Menos ainda como um Shetland, porque a potência era muito maior que a de um Midi ou Mini normal.

Esse sempre foi o problema dos Borders Midi. Feito para o Standard.

Se a pista era aberta não tinha como apostar corrida, se era fechada tinha que levar no joystick, como se estivesse jogando videogame. Samy era sensacional conduzindo a Dana.

Mundial 2007

O Aurélio foi para esse Mundial, o primeiro dele. A gente ficava no Dan quando ia pra São Paulo. Foi o primeiro mundial que fiz cobertura pro site. Então me lembro muito bem. Deu tudo errado e deu tudo certo. O Brasil de Dana, Tyller e Cacau chegou em 3º lugar entre as equipes Midi.

Aquele mundial marcou uma grande mudança na seleção. De 2006 para 2007 houveram muitas trocas. Aquela medalha foi apenas a segunda do Brasil (hoje são 6). Depois de cinco anos do primeiro título. A partir dali começaram a ventilar mais as categorias. Antes o que importava era apenas o Standard.

É triste pensar que esse dog não está mais entre nós, mas é inevitável.



Tags: ,

Agility

Fabi Estiga

Mais, nas redes sociais.




Agility Esporte - divertimento acima de tudo. Se você faz agility e não se diverte é porque está fazendo errado. Acima de qualquer coisa respeite seu cão, lembre-se que ele nunca erra, não tem culpa e não pediu para praticar o esporte. Assim o bem estar de ambas as partes é primordial sempre. "Praticar é preciso, divertir-se é necessário!"